As oito famílias de banqueiros que controlam toda a riqueza mundial

As oito famílias de banqueiros que controlam toda a riqueza mundial

 11 de julho de 2011 by Paulo Maurício Machado

Banqueiros (1)

Banqueiros

OS SENHORES DA BANCA

Que a imprensa tradicional, com o advento da Internet mais conhecida como “velha mídia”, sempre defendeu a entrega do patrimônio e riquezas nacionais aos grandes grupos da banca internacional, não é novidade. Nem que para isto tenha que atentar contra a democracia. É fato e é histórico.

Einstein tornou-se célebre pela Teoria da Relatividade, e não pela Teoria da Arbitrariedade: Uma entrevista sobre o X Congresso de Hipnose.

EinsteinEinstein tornou-se célebre pela Teoria da Relatividade, e não pela Teoria da Arbitrariedade: Uma entrevista sobre o X Congresso de Hipnose.

Professor Lugão, poderia comentar duas perguntas?

(Grupo de alunos que estiveram presentes no X Congresso de Hipnose)

Quais foram as vossas impressões sobre o Congresso de Hipnose recentemente ocorrido na UERJ?

A atual crise da ciência apontada pelo movimento Pós-Moderno é preocupante?

IMPROVISAÇÃO, HIPNOSE & PSICOTERAPIA

DSC03153 IMPROVISAÇÃO, HIPNOSE & PSICOTERAPIA by Celso Lugão da Veiga

( Foto: A Árvore Sefirótica,  na concepção de Diogo Lean Veiga)

Abaixo há o resumo da palestra feita no dia   29 de junho de 2012, no X CONGRESSO BRASILEIRO DE HIPNOLOGIA, na UERJ, pelo professor Celso Lugão da Veiga. Após este resumo há uma descrição de como foi realizada e conduzida esta palestra. Mais além será publicado na íntegra o artigo de mesmo nome que originou esta comunicação.     Pretende-se, em um próximo artigo, comentar as impressões sobre o Congresso e se levantar reflexões sobre os rumos da hipnoterapia e da hipnologia, bem como o esclarecimento do que é o empreendimento científico.

 

Teoria Geral dos Sistemas e Alquimia

DSC08890 Teoria Geral dos Sistemas e Alquimia foi um trabalho feito em 1980. A prof.ª Elida Sigelman sugeriu a obra homônima de L. von Bertallanfy. Donde fiz dois trabalhos, um demonstrava o meu entendimento da ambiciosa proposta do autor. O segundo é este, um “insight” na medida em que percebi certas inscrições em latim. As explicações estão no corpo do trabalho.

Do que se trata fazer psicoterapia… Um show de atuação!

       DSC07701    Do que se trata fazer psicoterapia… Um show de atuação!

E a importância da Rede de Modo Padrão para se entender o cérebro.

No dia 09 de novembro de 2011, às 23:54h recebi por e-mail o relato de um caso clínico e a atuação da terapeuta, minha amiga, que estava exultante (com toda a razão como poderão ler) e compartilhando seus sentimentos.

 A troca de alguns e-mails entre amigos e profissionais, creio, deve ser publicada pois ao ser compartilhada permite análises por prismas científicos de vários ângulos, por exemplo, aproveito para abordar a importância da DMN (Default Mode Network), da psicoterapia estratégica e para fazer reflexões sobre ciência e religião e hipnose.

Segue o caso narrado pela competente e querida amiga Nelsinéa, Néia, a quem chamo, já faz tempo, carinhosa e respeitosamente, e com uma boa dose de humor… Condessa. (A permissão para a publicação é mais um gesto generoso. Obrigado.)

 Desde ontem estou realizada pelos resultados de uma intervenção psicoterápica… Um menino de 3 anos teve uma desidratação braba e foi internado, com infecção intestinal. Fizeram todos os procedimentos e 3 dias depois de  internado,

Sobre Física Quântica ou os gatos verdes de Lugão

Sobre Física Quântica ou os gatos verdes de Lugão

 Gato verde 2 (II Parte de … Tudo que tem casca voa)

(Entrevista concedida à Pierre D’Arnot – novembro / 2011)

 

Prezado professor, dando continuidade a sua entrevista para nossa colega Marcelle, que está em suas merecidas férias, eu, Pierre D’Arnot,  gostaria de propor uma segunda parte em que o senhor pudesse explanar alguns itens que merecem um tratamento mais extenso… O que o senhor acha?

 Estou de acordo…

 Farei então três perguntas: Do que se trata, afinal, esta perspectiva da Física Quântica em nossas vidas? E por que a Dra. Teresa Robles tem sido uma porta-voz da Física Quântica? E, uma vez que o senhor faz parte da história da hipnose devido a sua participação nos trabalhos do Conselho Regional e Federal, como o senhor percebe estas questões e o ensino da hipnose? 

Considerações pós-modernas sobre a ciência, ou… Tudo que tem casca voa!

 

DSC07282Considerações pós-modernas sobre a ciência, ouTudo que tem casca voa! 

(I Parte)

(Entrevista concedida à Marcelle Jiroux D’ Ataign – junho / 2011)

Prof. Celso Lugão, o que o senhor tem a dizer sobre estas críticas que têm sido feitas à ciência, pelo discurso pós-moderno?

Se você se refere à chamada “crítica pós-moderna” da ciência, concordo inteiramente com R. Dawkins, quando este diz que esta é uma forma de retórica anticientífica, ou seja, uma forma de expressão elegante (um falar bem) e que no fundo tenta persuadir as pessoas colocando-as contra a metodologia e a prática científica.

 A ciência enfrentou e enfrentará em seu caminho muitas distorções e confusões. Desde o criacionismo até o uso inadequado de conceitos da física, como por exemplo, o princípio da incerteza de Werner Heisenberg e a teoria da relatividade de Albert Einstein até os conceitos de holografia e física quântica. 

Sobre a aprendizagem da psicoterapia

2012-03-10 16.14.10  Olá.

Na verdade o título original deste pequeno artigo segue abaixo. Eu o produzi em 2002 diante da percepção de que muitos supervisandos ou “aprendizes de feiticeiro” entram em pânico ou se abatem diante de sentimentos, experiências e leituras quando chegam no estágio de psicoterapia estratégica e se deparam com a enciclopédia, com o mito, e antes de tudo honorável e humilde Lugão. Esta experiência, relatada por muitos, de nada saber, ou de que nunca conseguirá chegar aonde o professor chegou; enfim, este sentimento de se sentir oprimido pelo enorme manancial de conhecimento externo… Em qualquer área de aprendizagem… Acreditem, esta é uma experiência universal, se assim se pode chamar as experiências que ocorrem neste pálido planeta azul, como diria Carl Sagan.

(Foto tirada no Observatório Nacional – RJ)

O Diamante de Erickson

Teaching-seminar-1978

O Diamante de Erickson
Em busca de critérios para uma terapia sob medida
Prof. Celso Lugão da Veiga

Este artigo tem como objetivo principal expor os critérios diagnósticos sistematizados por Jeffrey K. Zeig através de sua *compreensão da obra de Milton Erickson, bem como citar as fases do processo terapêutico denominado metaforicamente de “O Diamante de Erickson”.

Tributo a Richard Feynman

imagesTributo a Richard Feynman
Após ler mais três obras sobre Richard Feynman fiquei mais fascinado ainda por este grande cientista. Tanto o seu lado humano quanto a sua incrível capacidade científica, avaliada naturalmente por suas contribuições à ciência, são admiráveis.
A leitura destas obras… Está a brincar Sr. Feynman, Nem sempre a brincar, Sr. Feynman (ambos da editora Gradiva, daí o portugues de Portugal, como no caso da nave espacial Challenger, chamada de Vaivem) e O arco-íris de Feynman (ed. Sextante, escrito por L. Mlodinow, seu colega no Caltech), permite apreciar momentos de alta sensibilidade, alguns trágicos inclusive, como todo o processo da morte de sua mulher, até momentos hilários e outros geniais.
Estas obras podem dar uma imensa contribuição a formação do caráter dos jovens pretendentes a uma carreira científica (por exemplo, a metáfora do jogo de xadrez dos deuses, no vídeo 3/4), mas não apenas isto… As palavras de Richard Feynman são um guia, no mais das vezes divertido, para se levar uma vida saudável evitando ao máximo colocar bobagens no seu sanduíche. (Esta era uma brincadeira entre ele e Leonard Susskind; caro leitor você a entenderá quando assistir ao primeiro vídeo).
Na verdade, resolvi extrair do YouTube uma série de vídeos em que o próprio Richard Feynman explana várias questões, desde a sua participação no projeto da bomba atômica (vídeo 2/4) , revelando o drama e os paradoxos desta vivência, até questões específicas… Em particular quando o repórter faz uma pergunta (vídeo 4/12) e R. Feynman o questiona sobre a própria pergunta feita… “O que vc quer saber?”. É um show sobre formular questões de maneira a se saber aonde se quer chegar. O uso do por que, ao invés do como. Na área da Programação Neurolinguística, R. Bandler e J. Grinder, explicaram a importância de se saber definir um objetivo, ou seja, se você plantar abacaxi pensando em colher banana estará usando as sementes erradas. Desta forma, psicólogos, físicos e outros interessados poderão apreciar um acervo de conhecimento vendo e ouvindo este físico raciocinar e questionar sobre inúmeros temas.
rindo“O primeiro princípio é: você não deve enganar a si mesmo – e você é a pessoa mais fácil de ser enganada”. Richard Feynman (1918 – 1988), Discurso na Caltech, formatura de 1974.