Tag Archives: Filosofia da ciência

Insanidade é a incapacidade de comunicar nossas ideias

Definição de insanidadeA insanidade é a incapacidade de comunicar nossas ideias

Esta frase foi  extraída do filme “Veronika decide  morrer”, inspirado na obra homônima de Paulo Coelho, 1hora e doze segundos de filme, dita pelo personagem que seria um mestre sufi.

Então todos nós, em maior ou menor grau, somos insanos… Mas não confundam insanidade com perda de controle… Tem duas opções…  Controlar a mente ou deixar a mente controlar vocês.

Abaixo, segue…

A incrível entrevista com o professor Pensey Nathua Mann, nascido na Alta Eslobóvia (em 35/13/2018), que como todos deveriam saber fica abaixo da Média Eslobóvia.

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter

Sobrará algum pó após o Pós-Modernismo?

DSC03638
Pela importância do tema e em prol de diluir a tremenda confusão que esta corrente ideológica traz, principalmente para os jovens universitários perdidos entre os efeitos da anomia na sociedade e os argumentos pseucientíficos de supostos expertises em assuntos do qual nada entendem, resolvi postar o texto abaixo, com os devidos créditos. Para se pensar com clareza é preciso lucidez e boas informações, assim como para se escrever bem é preciso ler bons autores.
Indagado várias vezes sobre a crise da ciência, por jovens militantes de movimentos descabidos, como a marcha da maconha, resolvi colocar os textos de Bessa e Kentaro aqui também, tentei contato com os autores, mas não consegui.

Bem… Deveria se marchar por outras coisas, mas cada um pensa ser livre para marchar pelo que quer… Pensa ser livre, mas não é, ninguém é livre de uma ideologia, mas é diferente se tua marcha irá conduzir pessoas ao suplício, ao martírio de si e de outros, como foi o caso do nazismo. Muitos viram isto e alertaram na época, muitos não acreditaram…

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter

Einstein tornou-se célebre pela Teoria da Relatividade, e não pela Teoria da Arbitrariedade: Uma entrevista sobre o X Congresso de Hipnose.

EinsteinEinstein tornou-se célebre pela Teoria da Relatividade, e não pela Teoria da Arbitrariedade: Uma entrevista sobre o X Congresso de Hipnose.

Professor Lugão, poderia comentar duas perguntas?

(Grupo de alunos que estiveram presentes no X Congresso de Hipnose)

Quais foram as vossas impressões sobre o Congresso de Hipnose recentemente ocorrido na UERJ?

A atual crise da ciência apontada pelo movimento Pós-Moderno é preocupante?

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter

Teoria Geral dos Sistemas e Alquimia

DSC08890 Teoria Geral dos Sistemas e Alquimia foi um trabalho feito em 1980. A prof.ª Elida Sigelman sugeriu a obra homônima de L. von Bertallanfy. Donde fiz dois trabalhos, um demonstrava o meu entendimento da ambiciosa proposta do autor. O segundo é este, um “insight” na medida em que percebi certas inscrições em latim. As explicações estão no corpo do trabalho.

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter

O Diamante de Erickson

Teaching-seminar-1978

O Diamante de Erickson
Em busca de critérios para uma terapia sob medida
Prof. Celso Lugão da Veiga

Este artigo tem como objetivo principal expor os critérios diagnósticos sistematizados por Jeffrey K. Zeig através de sua *compreensão da obra de Milton Erickson, bem como citar as fases do processo terapêutico denominado metaforicamente de “O Diamante de Erickson”.

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter

Tributo a Richard Feynman

imagesTributo a Richard Feynman
Após ler mais três obras sobre Richard Feynman fiquei mais fascinado ainda por este grande cientista. Tanto o seu lado humano quanto a sua incrível capacidade científica, avaliada naturalmente por suas contribuições à ciência, são admiráveis.
A leitura destas obras… Está a brincar Sr. Feynman, Nem sempre a brincar, Sr. Feynman (ambos da editora Gradiva, daí o portugues de Portugal, como no caso da nave espacial Challenger, chamada de Vaivem) e O arco-íris de Feynman (ed. Sextante, escrito por L. Mlodinow, seu colega no Caltech), permite apreciar momentos de alta sensibilidade, alguns trágicos inclusive, como todo o processo da morte de sua mulher, até momentos hilários e outros geniais.
Estas obras podem dar uma imensa contribuição a formação do caráter dos jovens pretendentes a uma carreira científica (por exemplo, a metáfora do jogo de xadrez dos deuses, no vídeo 3/4), mas não apenas isto… As palavras de Richard Feynman são um guia, no mais das vezes divertido, para se levar uma vida saudável evitando ao máximo colocar bobagens no seu sanduíche. (Esta era uma brincadeira entre ele e Leonard Susskind; caro leitor você a entenderá quando assistir ao primeiro vídeo).
Na verdade, resolvi extrair do YouTube uma série de vídeos em que o próprio Richard Feynman explana várias questões, desde a sua participação no projeto da bomba atômica (vídeo 2/4) , revelando o drama e os paradoxos desta vivência, até questões específicas… Em particular quando o repórter faz uma pergunta (vídeo 4/12) e R. Feynman o questiona sobre a própria pergunta feita… “O que vc quer saber?”. É um show sobre formular questões de maneira a se saber aonde se quer chegar. O uso do por que, ao invés do como. Na área da Programação Neurolinguística, R. Bandler e J. Grinder, explicaram a importância de se saber definir um objetivo, ou seja, se você plantar abacaxi pensando em colher banana estará usando as sementes erradas. Desta forma, psicólogos, físicos e outros interessados poderão apreciar um acervo de conhecimento vendo e ouvindo este físico raciocinar e questionar sobre inúmeros temas.
rindo“O primeiro princípio é: você não deve enganar a si mesmo – e você é a pessoa mais fácil de ser enganada”. Richard Feynman (1918 – 1988), Discurso na Caltech, formatura de 1974.

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter

A Relatividade do Errado by Isaac Asimov

Asimov

A Relatividade do Errado

By Isaac Asimov
Outro dia eu recebi uma carta. Estava escrita à mão em uma letra ruim, tornando a leitura muito difícil. Não obstante, eu tentei devido à possibilidade de que fosse alguma coisa importante. Na primeira frase, o escritor me disse que estava se formando em literatura Inglesa, mas que sentia que precisava me ensinar ciência. (Eu suspirei levemente, pois conhecia muito poucos bacharéis em literatura inglesa equipados para me ensinar ciência, mas sou perfeitamente ciente do meu estado de vasta ignorância e estou preparado para aprender tanto quanto possa de qualquer um, então continuei lendo.)
Parece que em um de meus inúmeros ensaios, eu expressei certa felicidade em viver em um século em que finalmente entendemos o básico sobre o universo…

Prof. Lugão informa que no final postou a entrevista completa do físico Marcelo Gleiser, que fala inclusive do bóson de Higgs, e mais alguns vídeos sobre o assunto Percebam como a mídia distorce informações para enganar as pessoas e vender livros ( O segredo), filmes (Quem somos nós). A tal partícula de Deus foi um nome inventado por um editor e não tem o menor sentido; no vídeo do físico Michio Kaku se reforça esta questão.

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter

Sobre o Ceticismo by Carl Sagan

Carl Sagan

Carl_Sagan_Planetary_Society

O que é ceticismo? Não é nada muito esotérico. Nós o encontramos todos os dias. Quando compramos um carro usado, se formos minimamente inteligentes, nós exercitaremos pelo menos um mínimo de atitudes céticas – se nossa formação escolar tiver deixado alguma coisa. Você pode dizer “este sujeito parece honesto. Eu vou acreditar em tudo que ele disser”. Ou você pode dizer “bem, eu ouvi dizer que às vezes acontecem pequenas fraudes na venda de um carro usado, talvez sem o conhecimento do vendedor”, e aí você faz alguma coisa. Você chuta os pneus, abre as portas, olha sob o capô (você pode fazer tudo isso mesmo se não souber o que deveria estar sob o capô, ou pode trazer um amigo com queda para mecânica). Você sabe que algum ceticismo é necessário, e você entende por quê. É desagradável que você talvez tenha que discordar do vendedor ou lhe fazer perguntas que ele não queira responder. Há ao menos um pequeno grau de confronto interpessoal envolvido na compra de um carro usado e ninguém diz que isso seja especialmente agradável. Mas há uma razão boa para ela – porque quem não usar um mínimo de ceticismo, quem tem uma credulidade absolutamente irrestrita, provavelmente pagará algum preço por isso. Então se arrependerá por não ter feito um pequeno investimento em ceticismo.

*Havia no final deste artigo comentários sobre o filme What the bleep do we know – Quem somos nós – porém resolvi transformar tais comentários em um artigo para diminuir a extensão deste.

* Também enriqueci este artigo com vídeos da antiga e excelente série Cosmos. Interessante observar que no primeiro episódio há uma introdução da esposa de Carl Sagan, vale a pena conferir. Coloquei todos os episódios aqui, com exceção do segundo que se acha bloqueado por direitos autorais (Sic).

Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on Twitter